Sudo e gerenciador de boot no Ubuntu



Um detalhe sobre o qual você já deve ter ouvido falar dezenas de vezes, mas que de qualquer forma não posso deixar de comentar, é que o Ubuntu utiliza o sudo para a execução de programas como root. Em vez de usar o su ou o sux para se logar como root ao executar comandos administrativos, você simplesmente adiciona um "sudo" no início do comando para executá-lo como root, como em "sudo nautilus".

A senha que é solicitada é a sua própria senha de usuário, apenas uma precaução contra a possibilidade de alguém executar comandos na sua máquina aproveitando-se da sua ausência.

Por padrão, a conta de root vem desabilitada, uma medida para incentivar o uso do sudo. Entretanto, nada impede que você defina uma senha de root manualmente e passe a utilizar a conta quando necessário, da mesma maneira que em outras distribuições. Para isso, basta usar o comando "sudo passwd" a qualquer tempo.

Se preferir que o sudo não peça a sua senha de usuário ao executar comandos (como ao executar o sistema a partir do live-CD), edite o arquivo "/etc/sudoers" e substitua a linha "%admin ALL=(ALL) ALL" por:
%admin ALL=NOPASSWD: ALL
O "%admin" indica que todos os usuários que fizerem parte do grupo "admin" (que originalmente inclui apenas o usuário criado durante a instalação) poderão usar o sudo. Você pode também especificar o login diretamente, como em:
gdh ALL=NOPASSWD: ALL
De volta à instalação, depois da definição das senhas, é mostrada uma opção de importar configurações a partir do Windows ou de outras distribuições que estejam presentes no HD. A importação resulta em uma mistura entre as configurações padrão do Ubuntu e do sistema anterior, com resultados variados. Você pode experimentar importar uma vez e, se não gostar do resultado, repetir a instalação, desativando a opção.

Outra opção é simplesmente portar seus dados manualmente: todos os aplicativos salvam seus dados e configurações em pastas ocultas do seu diretório home, que você pode migrar de uma instalação para a outra. A principal dica é sempre atribuir a posse dos arquivos para o seu login atual depois de fazer a cópia, certificando-se de que realmente terá permissão para acessar os arquivos. Use o "chown -R login:grupo /home/login" (como root) para ajustar de uma vez as permissões de todos os arquivos colocados dentro do home, como em:
 # chown -R gdh:gdh /home/gdh
Em seguida você tem a tela "Pronto para instalar", que exibe um resumo da instalação. Clicando no "avançado" você tem acesso à configuração do gerenciador de boot, onde pode orientar o instalador a gravá-lo na partição (de maneira a não subscrever o gerenciador de boot atual). Por default, o Ubuntu instala o grub na MBR e adiciona outros sistemas operacionais instalados ao menu de boot.

Como em outros live-CDs, o sistema continua funcional durante a instalação, permitindo que você navegue ou jogue algum dos games pré-instalados para matar o tempo.

A menos que você esteja instalando a partir do DVD, o instalador tentará baixar os pacotes de tradução no final da instalação, o que exige uma conexão com a web já configurada. Naturalmente, a instalação não para se não for possível fazer o download, mas você ficará com uma localização incompleta do sistema e receberá um aviso no próximo boot:

Você pode instalar os pacotes posteriormente através do "Sistema > Administração > Suporte a Idiomas".


Fonte: hardware.com.br


Tecnologia do Blogger.