Comandante do Exército descarta punir general que sugeriu intervenção


O comandante do Exército brasileiro, Eduardo Villas Bôas, afirmou que o general Antonio Hamilton Mourão não receberá punição por ter sugerido uma intervenção das Forças Armadas no país.

Em sua primeira manifestação sobre o tema, o comandante disse ao apresentador Pedro Bial que já conversou com Mourão "para colocar as coisas no lugar, mas punição, não".

Em meio a questões envolvendo a crise política, ele ainda declarou que a possibilidade de intervenções militares "ocorre permanentemente" e disse que "as Forças Armadas têm mandato para fazer [uma intervenção militar] na iminência de um caos".

A entrevista foi exibida na noite desta terça-feira (19) pela TV Globo.Na segunda-feira (18), o ministro da Defesa, Raul Jungmann, pediu explicações a Villas Bôas sobre o incidente. Em nota, o ministro afirmou que foram discutidas "medidas cabíveis a serem tomadas" em relação ao general Mourão.

Apesar de o ministro ter pedido explicações sobre o incidente, Villas Bôas, que ocupa o cargo mais alto na hierarquia das Forças, é o responsável legal por decidir o que fazer sobre Mourão, a quem chamou de "um grande soldado, uma figura fantástica, um gauchão".

Na última sexta-feira (15), Mourão afirmou que "seus companheiros do Alto Comando do Exército" entendem que uma "intervenção militar" poderá ser adotada se o Judiciário "não solucionar o problema político", em referência aos escândalos de corrupção envolvendo políticos.

Secretário de economia e finanças da Força, o general falava em palestra promovida pela maçonaria, em Brasília.Villas Bôas negou que Mourão tivesse desrespeitado a legislação que proíbe oficiais da ativa de se manifestarem sobre o quadro político-partidário. Para ele, a fala do colega foi descontextualizada e mal interpretada.

Ele ainda deu a entender que as Forças Armadas podem, sim, agir em assuntos relacionados à crise política.

"Se você recorrer ao que está na Constituição, no artigo 142, como atribuição das Forças Armadas, diz que as Forças podem ser empregadas na garantia da lei e da ordem por iniciativa de um dos poderes", afirmou.Como exemplos, citou as recentes atuações do Exército para conter ondas de violência no Espírito Santo e no Rio de Janeiro.

Leia mais no MSN


---------------


Cursos sem mensalidades e 100% online a partir de R$ 29,90
Curso de Fotografia
Dicas para sua carreira
Programa de Afiliados - ----
Comandante do Exército descarta punir general que sugeriu intervenção Comandante do Exército descarta punir general que sugeriu intervenção Reviewed by Anderson Nascimento on 20:30:00 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.