O equilibrista de pratos




Luiz Cesta
26 de julho de 2019

Aviso do Editor: Luiz Cesta abriu uma seleção com as empresas melhores pagadores de dividendos da Bolsa. É uma lista de ações que vai te garantir pagamentos regulares se o mercado subir ou cair. Veja aqui.

Caro leitor,
   
Outro dia me espantei com o tamanho da indústria DIY (Do It Yourself) ou o famoso "Faça Você Mesmo", nos Estados Unidos. Só em 2018 foram nada mais, nada menos do que US$ 400 bilhões em vendas.
 
De acordo com outra pesquisa da Venveo, um pouco mais antiga, datada de 2015, 39% dos adeptos desse mercado o fazem para economizar dinheiro e 47% porque sentem prazer em fazer as coisas com as próprias mãos.
   
No Brasil, tenho notado o surgimento de algumas iniciativas nesse mercado vindo, principalmente, da varejista de construção Leroy Merlin, mas ainda assim muito incipiente. Faz parte da nossa cultura recorrer ao nosso "Faz Tudo" preferido, o profissional que realiza pequenos reparos em casa e nos poupa tempo.
 
Mas é preciso muito cuidado na hora de chamá-lo porque trabalhos mais específicos podem ficar com qualidade duvidosa ou até mesmo nos trazer prejuízos.
 
Trazendo isso para o universo dos FI's, costumo dizer que um fundo multimercado pode ser categorizado dessa maneira: O "Faz Tudo" da indústria de fundos.

Será que os fundos multimercados fazem de tudo um pouco e não fazem nada de bom?
   
Estamos falando de um mercado de mais de R$ 1 trilhão, segundo a Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais). Isso mesmo, um número de 13 dígitos!
   
Como o nome já sugere, os gestores desses fundos possuem a liberdade na busca por retorno, alocando o patrimônio do fundo em diversos mercados. Câmbio, renda variável, renda fixa, posições compradas/vendidas, etc.
   
Sendo assim, a análise desse tipo de fundo deve se centrar, mas não se exaurir, na capacidade dos gestores se equilibrarem em diversos mercados aliando retorno e risco incorrido. Isso quase sempre é uma tarefa árdua.
 
Um dos mais famosos multimercados do país é o Verde FIC FIM do também ilustre gestor Luís Sthulberger. Sua performance histórica é invejável. Desde seu início, em 1997, o fundo principal acumula um retorno de 2.099,38% do CDI.
 
Mesmo assim, erra em alguns momentos, como foi na já amplamente divulgada aposta no dólar americano contra o renminbi chinês, ao longo de 2017.

Em minha opinião, não faz sentido investir em fundos multimercado se não for para buscar valor na capacidade do gestor de equilibrar vários pratos girando ao mesmo tempo.

Portanto, quando for investir em um fundo multimercado, fique de olho se esse "Faz Tudo" realmente faz seu trabalho sem deixar nada quebrado para trás.
 
Em nossa publicação quinzenal "Fundos Expert", eu exploro exatamente essas características para sugerir aos meus seguidores apenas as melhores opções em fundos disponíveis no mercado.
 
No início desta semana, fiz um levantamento de todos os fundos multimercado abertos para captação, com patrimônio superior a R$ 500 milhões, mais de 150 cotistas e que sejam destinados ao público em geral.
   
Para entendermos como tem sido a performance versus risco assumido pela indústria ao longo deste ano, construí um gráfico que relaciona a volatilidade histórica (risco) anualizada dos fundos e seu respectivo retorno no período.
   
Juntei tudo e coloquei num gráfico, posicionando a volatilidade histórica do fundo no eixo horizontal e a rentabilidade histórica do fundo no eixo vertical. O resultado está colocado abaixo.
   

Fonte 1: Quantum Axis e Elaboração Inversa

     
Confesso que talvez não seja tão fácil de entender os pontinhos acima, mas deu para perceber que existem fundos e fundos, né? O que quero lhe mostrar é que a escolha dos melhores nunca é uma tarefa das mais fáceis.
 
Não é tão simples quanto acessar a plataforma do seu banco ou corretora e filtrar os fundos com maiores históricos.
   
Note que alguns fundos, aqui representados por pontos, apresentaram uma volatilidade alta, sem a contrapartida de retorno, bem como é possível observar que assumindo baixo risco, alguns fundos conseguiram entregar um retorno bastante interessante.
 
Por isso, fique muito ligado nessas variáveis quando for escolher um fundo multimercado para investir. Se precisar de uma ajuda, na série Fundos Expert, eu e minha equipe estudamos todos esses aspectos e sugerimos os que melhor refletem retorno compatível com o risco incorrido.
 
Por hoje é isso.

Um abraço!

Luiz Cesta (@luizcesta)

P.S.1: Aprenda aqui a arte de lucrar alto com pouco sob a mentoria de meu parceiro de Imersão de Investimentos, o Marink Martins. O Melhor Curso de Opções do país foi reaberto. E você pode entrar por aqui

P.S.2: Não compre um imóvel antes de ver isto. Um estudo de investimentos mostra tudo sobre a grande Farsa financeira dos Imóveis. 

Leituras Sugeridas:



Conteúdo editado por:

Eduardo Laguna
Inversa Publicações
São Paulo
contato@inversapub.com
Logo Inversa
Facebook Twitter Instagram Youtube LinkedIn
Esta mensagem faz parte do conteúdo gratuito da Inversa Publicações. As informações não podem ser reproduzidas, total ou parcialmente, em meios impressos ou digitais, sem a permissão da Inversa Publicações. Nossa intenção é enviar os e-mails apenas para interessados. Para mais informações, escreva para newsletter@inversapub.com.
Como publicadora independente de ideias de investimento, a Inversa está aqui para mostrar a você o que julga ser importante para sua vida financeira. Publicamos vozes diferentes, de pessoas autênticas e que vão fazer a diferença em sua vida. Elas não necessariamente concordam entre si e muitas vezes vão abordar temas importantes do momento por perspectivas diferentes. Assumimos com você o compromisso de publicar as mensagens de nossos colunistas sempre que julgarmos que elas serão enriquecedoras para o debate de ideias de investimentos.
Clique aqui para ler no navegador.
Se deseja deixar de receber, clique aqui
Tecnologia do Blogger.