Caça de unicórnios




Luiz Cesta
13 de setembro de 2019

Nota do editor: Na edição de hoje, Cesta escreve sobre como lucrar com startups, o que, nos Estados Unidos, se faz com facilidade. Aproveito para convidar você a conhecer aqui a estratégia que os americanos usam para ter um segundo salário. Adianto que ela pode ser aplicada no Brasil a partir de alguns poucos toques no seu celular.

Caro leitor,
 
É indiscutível que inovação e modernidade estão bem perto de nós, talvez ali dobrando a esquina. Todos os dias, eu e você somos surpreendidos com um app novo, serviços mais eficientes, tarefas que antes eram morosas e agora se resolvem em poucos cliques.
   
Nesse contexto, aparece cada vez mais frequentemente na mídia a palavra startup. Afinal, quem nunca ouviu falar das fintechs? Nada mais são do que startups que criam soluções no mercado financeiro e nos meios de pagamentos.
   
Uma aproximação minha, mais simplista sobre algumas startups, está na premissa de que se trata de um fenômeno de terceirização do investimento em pesquisa e desenvolvimento (P&D) que sempre aconteceu nas empresas.
   
As empresas investiam em P&D e vendiam as inovações criadas internamente. Hoje, as grandes empresas fomentam esse investimento fora de seus domínios e, quando identificam uma startup criando tecnologia que possa ser aproveitada internamente, a aquisição por uma grande empresa acontece e vida que segue.
   
Vide o que aconteceu com a XP Investimentos, que nasceu startup, e cuja parcela do capital (49,9%) foi adquirida pelo Itaú Unibanco. Não é sempre assim, mas os investidores de startups encontram nessa venda para corporações uma potencial saída de seus investimentos.
   
   
Com a abundância de capital disponível no mundo e busca por risco, as startups chamam cada vez mais a atenção. No mercado de fundos, não poderia ser diferente.
 
Lá na gringa, já é certo e fácil encontrar maneiras de se expor financeiramente às startups com investimentos nos chamados Venture Capital Funds. No Brasil, isso ainda engatinha, mas novidades não param de pipocar por aí.
 
Um exemplo dessa iniciativa está em fundos chamados "Capital Semente". Ou se você quiser falar como os gringos: Seed Money Funds.
   
No juridiquês, esses fundos são constituídos como um FIP, sigla de Fundo de Investimento em Participações. Só para citar um exemplo: a gestora Domo Invest, cujo time contempla um dos fundadores do famoso site de comparação de preços Buscapé. Em conjunto com o BNDES, a gestora vai investir R$ 40 milhões em mais de 100 startups nos próximos três anos.
   
É certo que a liquidez desse tipo de investimento é praticamente nula para não dizer zero. Em investimentos do tipo, não há mercado secundário organizado e o investidor precisa ter a paciência de esperar de cinco a dez anos até que uma realização de lucro (ou prejuízo) seja concretizada.
   
Mas o potencial de lucro é proporcional ao tempo investido. Você já deve também ter ouvido falar de empresas chamadas de unicórnios, como se convencionou classificar as companhias cujo valor de mercado passa de US$ 1 bilhão. Os investidores dessas empresas com certeza estão rindo à toa.
   
Aliás, há uma discussão pelo mundo se grande parte do valor das companhias está sendo criado na etapa prévia da abertura de capital, o IPO, sobrando pouco de valorização para os investidores de ações.
   
Em países como o Brasil, onde o empreendedorismo está encravado nas veias da população, é possível imaginar que veremos diversos unicórnios sendo criados nos próximos anos. Alguns você já conhece: Nubank, Loggi, Gympass, Quinto Andar. Todos eles com investidores felicíssimos com os retornos conseguidos.
 
E você? Tem interesse em diversificar seus investimentos e apostar em novos unicórnios? Mande um comentário para mim no cestaefundos@inversa.com.br. Quero saber se você gosta do assunto e se toparia investir nesse promissor mercado que está surgindo no Brasil.
 
Fique ligado nas próximas edições desta newsletter porque seu desejo pode se tornar realidade.
 
Um abraço!
 
Luiz Cesta (twitter: @luizcesta)
   
P.S.: Você investiria em Petrobras ou Correios? A sua resposta pode ser uma das maiores oportunidades de ganhos da década para investidores atentos. A última vez que tivemos uma onda de privatizações, ainda com o ex-presidente FHC, algumas porradas, não raramente milionárias, foram vistas na Bolsa. Entenda todos os detalhes aqui.   
   


Conteúdo editado por:

Kátia Kazedani
Inversa Publicações
São Paulo
contato@inversa.com.br
Logo Inversa
Facebook Twitter Instagram Youtube LinkedIn
Esta mensagem faz parte do conteúdo gratuito da Inversa Publicações. As informações não podem ser reproduzidas, total ou parcialmente, em meios impressos ou digitais, sem a permissão da Inversa Publicações. Nossa intenção é enviar os e-mails apenas para interessados. Para mais informações, escreva para newsletter@inversa.com.br.
Como publicadora independente de ideias de investimento, a Inversa está aqui para mostrar a você o que julga ser importante para sua vida financeira. Publicamos vozes diferentes, de pessoas autênticas e que vão fazer a diferença em sua vida. Elas não necessariamente concordam entre si e muitas vezes vão abordar temas importantes do momento por perspectivas diferentes. Assumimos com você o compromisso de publicar as mensagens de nossos colunistas sempre que julgarmos que elas serão enriquecedoras para o debate de ideias de investimentos.
Clique aqui para ler no navegador.
Se deseja deixar de receber, clique aqui
Tecnologia do Blogger.