Um médico abusador a menos







Sábado, 14 de setembro de 2019
Um médico abusador a menos


Poucas coisas deixam um jornalista tão feliz quanto saber que sua reportagem contribuiu para que um crime não ficasse impune. Há duas semanas eu senti essa emoção. O ginecologista e obstetra Felizardo Batista, acusado de abusar sexualmente de suas pacientes em Teresina, está proibido pela Justiça de atuar como médico. E isso aconteceu depois que publicamos uma reportagem contando a história de parte das mulheres que ele abusou.

mais de dois anos, investigo casos de abuso sexual praticados pelo ginecologista, sócio da maior maternidade particular do Piauí, a Santa Fé. Em três décadas de carreira, ele acumulou dinheiro, status, poder e também a certeza de que não seria denunciado. A estratégia funcionou por muito tempo, mas em 2017 uma mulher rompeu o silêncio e denunciou o abuso sofrido à Polícia Civil do Piauí, encorajando mais oito mulheres a fazerem o mesmo.

Um dos profissionais mais renomados do estado, Batista foi indiciado, mas conseguiu se livrar do processo criminal. O inquérito foi arquivado a pedido de Raulino Neto, promotor do Ministério Público do Piauí e amigo de longa data do médico. Ele continuou fazendo consultas ginecológicas e voltou a se sentir seguro para praticar novos abusos. Em outubro de 2018, outra mulher o denunciou à polícia, como mostramos no Intercept no fim do ano passado, o que deu origem a um segundo inquérito. A medida cautelar que proíbe Batista de atuar como médico é parte desse processo, que tramita em sigilo na 3ª Vara Criminal de Teresina. Hoje, quem liga para as clínicas em que ele trabalhava escuta que o médico está de "licença por tempo indeterminado."

Em agosto, o juiz João Bittencourt atendeu a um pedido da polícia, reforçado por um parecer do Ministério Público Estadual, que também queria a prisão do médico. Batista não foi preso por conta de um habeas corpus, mas está proibido de sair de Teresina sem aviso prévio à justiça e também não pode manter contato com as vítimas, parentes e amigos delas.

A reportagem que publicamos foi decisiva para a punição que Batista recebeu agora. A história repercutiu tanto que outras mulheres passaram a me procurar e relatar abusos que também tinham sofrido. Uma delas me contou por que demorou 10 anos para denunciar o que o médico lhe fez.

Um mês após a publicação da reportagem, em janeiro, o juiz Luiz Henrique Moreira Rego reabriu a primeira investigação – até então arquivada a pedido do promotor amigo de Batista – com os depoimentos das nove mulheres que tinham denunciado o médico ainda em 2017. O juiz considerou que o surgimento de novas vítimas reforçava os indícios do crime, "sendo, portanto, pertinente, justo e necessário o desarquivamento dos autos". Esse processo foi encaminhado para a 8ª Vara Criminal de Teresina e ainda está em andamento.

A situação do promotor Raulino Neto, aquele que quase conseguiu engavetar a investigação contra o amigo, também não é das melhores. No dia 2 de agosto, quatro membros da corregedoria do Ministério Público do Piauí votaram por puni-lo com censura, uma advertência formal que fica registrada na folha do servidor. Ele ainda responde a um processo administrativo disciplinar no Conselho Nacional do Ministério Público.

Casos como esses, apesar de graves, não costumam ganhar as manchetes dos grandes veículos. Eu me formei em jornalismo no Piauí e sei bem que as pautas do nordeste são tratadas como menos importantes pela imprensa nacional. Não no Intercept. Aqui nós valorizamos a história e vamos buscá-la onde ela estiver. Saber que outras mulheres não passarão mais pelas mãos assediadoras de um médico como esse me motiva e me faz acreditar no poder do bom jornalismo. E vocês são parte desta história!

FAÇA PARTE DO TIB →  
Repórter



Destaques

As mensagens secretas da Lava Jato
Moro autorizou devassa na vida de filha de investigado da Lava Jato para tentar prendê-lo

Leandro Demori, Rafael Neves
Procuradores pediram medidas contra filha de empresário radicado em Portugal para tentar extradição dele, revelam mensagens trocadas pelo Telegram.
O PT foi pragmático para chegar ao poder. Mas se recusa a dar as mãos na hora de defender o país.
João Filho
Incrível notar que o PT, que se aliou a partidos que derrubaram Dilma, se recuse a aderir à frente ampla contra o bolsonarismo. PSOL também se abstém.
Monsanto orquestrou o esforço do Partido Republicano para intimidar pesquisadores
Lee Fang
Documentos sugerem que a Monsanto pressionou pesquisadores para minar estudos sobre glifosato e seu potencial cancerígeno.
Bolsonaro apela ao nacionalismo para encobrir seus crimes – mesma desculpa usada por ditadores
Alexandre Andrada
Presidentes brasileiros já recorreram ao nacionalismo para perpetuar crimes, desde o tráfico de escravizados a torturas e mortes na ditadura.
Com apoio de irmão de Bolsonaro, ruralistas tentam impedir demarcação de terras indígenas em SP
Diego Junqueira
Nabhan Garcia organizou audiência com agricultores no Vale do Ribeira, onde o presidente da Funai prometeu reavaliar terras indígenas – e o encontro não constou na agenda.
Vozes
'Sou diretor de cinema, preto e bixa. Por causa disso, Bolsonaro censurou meu filme.'

Bruno Victor
Em uma live, Bolsonaro citou o curta-metragem "Afronte" sobre negros LGBTs quando decidiu cancelar o edital da Ancine.

Nosso boletim semanal é enviado aos sábados.
Recebeu este e-mail encaminhado por alguém? Assine! É grátis.
Mudou de ideia e não quer receber nossa newsletter?
Clique aqui para cancelar a inscrição.
Obrigado por nos ler! Que tal nos dizer o que achou?
Nosso e-mail é: newsletter@emails.theintercept.com

Acompanhe o TIB nas redes sociais:

Facebook

Twitter

Instagram

YouTube

Método para conseguir seu estágio:






This email was sent to william.xn10.teste@blogger.com
why did I get this?    unsubscribe from this list    update subscription preferences
First Look Media · Caixa Postal 15.120 · Rua das Marrecas, 48, Centro · Rio de Janeiro, RJ 20031-120 · Brazil

Tecnologia do Blogger.