Compre um juiz por R$ 750






Compre um juiz por R$ 750


Publicamos hoje mais uma história exclusiva sobre a corrupção no judiciário brasileiro. Depois de uma longa investigação encontramos 21 casos em que juízes e desembargadores foram investigados pelo CNJ, o Conselho Nacional de Justiça, por venda de sentenças. Os valores de uma decisão judicial no Brasil podem variar de R$ 750 a R$ 400 mil. E qual a punição para esse crime? Aposentadoria com salário. 
Uma das histórias que contamos aconteceu em São Francisco do Conde, na região metropolitana de Salvador. Um desembargador cobrou  R$ 400 mil para livrar um político de uma acusação de corrupção. Já em Xinguara, no Pará, um habeas corpus para um acusado de assassinato sai por R$ 70 mil. O mercado de sentenças tem produtos que cabem em todos os bolsos. No interior do Rio Grande do Norte descobrimos que uma liminar custa a partir de R$ 750.  
Um magistrado que cobra menos que um salário mínimo por uma liminar recebe como punição do CNJ sua aposentadoria compulsória e ela é bem gorda. Em média, magistrados condenados pelo Conselho por venda de sentenças recebem R$ 32 mil por mês de aposentadoria. 
Dos 21 magistrados investigados por venda de sentença que descobrimos, 11 foram obrigados a se aposentar. Isso mesmo, juízes e desembargadores continuam sustentados com nosso dinheiro pelo resto da vida. 
Por que é assim? Ora, são os magistrados que fazem as regras e que definem suas próprias punições. Como isso acontece, você lê aqui com exclusividade.
Agora imagine um cenário em que o Intercept Brasil não existe. Quem vai denunciar o judiciário e dar nome aos bois? Quantas práticas ilegais e injustas permaneceriam ocultas sem o trabalho dos nossos repórteres? Pois é, só podemos fazer investigações como essa porque não temos rabo preso com ninguém. 

Nayara Felizardo
Correspondente para o Norte e Nordeste


Tribunal de Justiça do Amazonas estica concurso para garantir vagas a filhos de desembargadores

Nayara Felizardo
No Amazonas, o sobrenome pode ser decisivo para conseguir cargos, funções gratificadas e uns bons milhares de reais a mais na conta.

Quando vamos abrir a caixa-preta do Judiciário?

João Filho
Excesso de privilégios da casta judiciária vem sendo cada vez mais questionado pela sociedade.

Por que os bancos lucram enquanto a economia afunda

Alexandre Andrada
No Brasil, bancos cobram as taxas que querem porque não têm concorrência, e os banqueiros ditam as regras econômicas do país desde sempre e em benefício próprio.

As mensagens secretas da Lava Jato

Uma enorme coleção de materiais nunca revelados fornece um olhar sem precedentes sobre as operações da força-tarefa anticorrupção que transformou a política brasileira e conquistou a atenção do mundo.

Precisamos de você

O Intercept Brasil quer continuar investigando políticos, governos, corporações e membros do judiciário. E pode fazer isso com independência porque depende apenas dos seu leitores. 

Recebeu este e-mail encaminhado por alguém? Assine! É grátis.

Obrigado por nos ler! Que tal nos dizer o que achou?

Siga-nos em nossas redes sociais:

Facebook

Twitter

Instagram

YouTube

Website

Este e-mail é uma maneira importante de conversarmos com nossos leitores, mas se você mudou de ideia e não quer receber nossa newsletter, clique em cancelar a inscrição.






This email was sent to william.xn10.teste@blogger.com
why did I get this?    unsubscribe from this list    update subscription preferences
First Look Media · Caixa Postal 15.120 · Rua das Marrecas, 48, Centro · Rio de Janeiro, RJ 20031-120 · Brazil

Tecnologia do Blogger.