Quando você é a cota, não deseja isso pra ninguém







Sábado, 16 de novembro de 2019
Quando você é a cota, não deseja isso pra ninguém


Onde eles estão?

Esse questionamento me perseguiu de 2010 a 2016, período em que cursei Jornalismo na Universidade Federal Fluminense (UFF). Cria de Santa Cruz, bairro da Zona Oeste do Rio de Janeiro, eu estava habituada a ver e conviver com pessoas pretas em todos os espaços que frequentava. Ao sair da 'bolha' do subúrbio carioca para estudar e morar na elitizada Niterói, me tornei exceção nos primeiros passos que dava na carreira: dos 25 alunos da turma, eu era a única negra.

Fora da sala de aula, a situação não era diferente. Nos corredores, nas chopadas, nos eventos da área, eu me sentia um corpo estranho e me perguntava "onde eles estão?". Passei a contar quantos estudantes negros eu encontraria por dia nos campi. Raramente completava uma das mãos.

A comunidade acadêmica ignorava ou rechaçava a desigualdade que, para mim, era latente. Até mesmo os coletivos de esquerda tratavam a pauta como secundária e defendiam a assistência estudantil como prioridade, sob o pretexto de que a política beneficiaria todo mundo. Mas eu estava longe de ser todo mundo. Eu era a cota, a exceção. E, quando você é a exceção, não deseja que ninguém se sinta da mesma forma.

Pior do que ser a cota é ser invisível. Esta era a sensação do grupo de onze jovens que selecionamos para participar da Narra, primeira agência-escola de jornalismo exclusiva para moradores de favelas e periferias do Rio. Nesses territórios, as oportunidades de qualificação profissional são escassas, geralmente funcionam em currais eleitorais e raramente ensinam mais que ofícios que pagam pouco. Profissões dignas, mas é preciso questionar a lógica racista que nos restringe a essas opções e, assim, preserva a discrepância de renda entre brancos e pretos.

Na comunicação, as desigualdades não têm números oficiais, mas uma breve análise dos rostos, caras e reportagens que compõem o jornalismo brasileiro escancara que a figura do negro não está sob os holofotes, e sim em manchetes pejorativas que o apresentam como traficante, bandido ou suspeito. Quando não somos invisíveis, nos simplificam com estereótipos.

E é por isso que iniciativas como a Narra, que priorizam segmentos colocados à margem da sociedade, são importantes. Ao promover uma formação técnica em comunicação voltada para a juventude negra e LGBTQ+, afirmamos sua potência, damos ferramentas para que se apropriem de seu repertório cultural e produzam conteúdo plural e responsável, que dê visibilidade a suas vozes e vivências.

Para alcançar esse perfil, divulgamos o edital com o apoio de instituições envolvidas com esse público. Assim, chegamos a 352 inscritos em dez dias – em sua maioria negros e mulheres, com adesão de pessoas trans, indígenas e não binárias. A diversidade de experiências favoreceu a pluralidade de ideias, o que culminou em pautas que interessavam ao grupo. Em Máquina de Moer Preto, publicada pelo Intercept, a turma apresentou as contradições das políticas para os adolescentes em conflito com a lei, a partir da experiência de três ex-internos. Eles também mostraram como familiares e amigos buscam resgatar a memória de jovens assassinados pela violência de Estado e que ainda são alvo de fake news nas redes sociais.

Ao passo que a proximidade com as temáticas colabora para narrativas mais ricas, traz também reflexos à subjetividade dos jovens, cujas experiências de vida também foram marcadas pelo sistema socioeducativo ou pela perda precoce de membros da família em tiroteios. A violência sobre a qual falam lhes trouxe cicatrizes e ainda ronda os espaços de convívio. Seu dia a dia inclui ter a casa arrombada durante revistas policiais na madrugada, faltar a compromissos devido a confrontos armados que lhes cassam o direito de ir e vir, encarar crises de depressão causadas por racismo e transfobia que também fecham as portas dos postos de trabalho. Estar à margem dá trabalho; resistir cansa.

No mês da Consciência Negra, não queremos celebrar a oportunidade de falar sobre nós, e sim reivindicar nosso protagonismo nos 365 dias do ano. Defendemos que nossa visibilidade não se limite a falar sobre as demandas da negritude, mas que a negritude seja compreendida como elemento fundamental para abordar qualquer tema.

Estamos aqui: vivos, potentes e somos muitos.
Elena Wesley
Jornalista


Destaques


O Intercept Brasil não vai parar de investigar o judiciário, as grandes corporações, políticos e governos. Junte-se a nós na luta por informação e transparência.

FAÇA PARTE DO TIB →


 
Para a imprensa 'isenta', vale tudo: do lavajatismo cego ao tapa na cara
João Filho
Os jornalistas brasileiros que relativizam a agressão a Glenn Greenwald são os mesmos que entraram em parafuso com a Vaza Jato.
Exclusivo: polícia ignorou registro de segundo carro clonado no dia do assassinato de Marielle
Marina Lang
Laudo mostra outro Cobalt prata de placas clonadas a 51 km da rota do crime. Apontado como responsável pela clonagem foi assassinado.
Você pode achar que Lula é culpado e considerar sua soltura positiva
Rosana Pinheiro-Machado
Sem 'doisladismo': Lula merece o julgamento imparcial que não teve até agora.
Como o golpe na Bolívia abriu caminho para um oportunista de extrema direita
Lucas Berti, Maurício Brum
Crise após eleição de Evo Morales faz bolsonarista Luiz Camacho emergir como líder enquanto oposicionista se autoproclama presidente de Bíblia na mão.
Entrevista: 'Negar e silenciar é confirmar o racismo', diz Roger Machado
Bruno Sousa
Técnico do Bahia, Roger Machado deu uma aula sobre racismo institucional numa coletiva.
Como a família Alcolumbre enriqueceu com grilagem e devastação no Amapá
Leonardo Fuhrmann
Família do presidente do Senado chegou a declarar propriedades em áreas da União à Justiça Eleitoral e deve R$ 1 milhão em multas ao Ibama.

FAÇA PARTE DO TIB →  


Nosso boletim semanal é enviado aos sábados.
Recebeu este e-mail encaminhado por alguém? Assine! É grátis.
Mudou de ideia e não quer receber nossa newsletter?
Clique aqui para cancelar a inscrição.
Obrigado por nos ler! Que tal nos dizer o que achou?
Nosso e-mail é: newsletter@emails.theintercept.com

Acompanhe o TIB nas redes sociais:

Facebook

Twitter

Instagram

YouTube






This email was sent to william.xn10.teste@blogger.com
why did I get this?    unsubscribe from this list    update subscription preferences
First Look Media · Caixa Postal 15.120 · Rua das Marrecas, 48, Centro · Rio de Janeiro, RJ 20031-120 · Brazil

Tecnologia do Blogger.